Um Amor, Mil Casamentos – Sinopse e Análise do filme na Netflix

Um Amor, Mil Casamentos – Sinopse e Análise do filme na Netflix

Vamos conversar sobre o filme Um Amor, Mil Casamentos.

Antes de tudo é o seguinte.

Se você tem realmente intenção de assistir o filme e não quer que estrague as surpresas, não leia este artigo.

Porém como o filme não é tão empolgante assim, com esta análise, você vai entender todinho o filme e me agradeça por não perder seu tempo assistindo o filme.

Até agora ainda não entendi por estar na lista dos filmes mais assistidos da Netflix, juntamente com Milagre na Cela 7 e outros sucessos.

Ahahah… Pra mim, um dos piores filmes do ano. Não posso afirmar como o pior pois ainda estamos no segundo trimestre e muita coisa de ruim pode chegar.

Era para ser uma comédia romântica, que pelo menos foi difícil tirar um sorrisinho. Com piadinhas ruins, que nem valem a pena comentar por aqui.

Quem é o Diretor e os personagens

Dean Craig é um roteirista e diretor de cinema inglês. Seu principal trabalho no cinema foi escrevendo a comédia Death at a Funeral e sua refilmagem, em 2010.

Um Amor e Mil Casamentos de 2020 foi um dos seus piores trabalhos de todos os tempos.

Temos o Jack como herói apaixonado por Dina. A irmã de Jack, Hayley que vai se casar.

O Marc, que estraga o casamento e tem um caso com Hayley.

O Bryan, um personagem até que desenrola bem, e quer chamar a atenção de Vitelli, um diretor de filmes.

O Sydnei sem noção que fala além de conta, juntamente com Chaz, que faz piadas sem graça e atual namorado de Amanda, a chata da vez.

Sinopse: a Expectativa da História de Um Amor, Mil Casamentos

Uma festa de casamento pode acabar de muitas maneiras. Tudo depende de onde cada convidado vai se sentar.

A Realidade do filme

Jack e Dina um Amor Mil Casamentos

O começo é importante para entender a narrativa de Um Amor, Mil Casamentos.

Jack foi visitar a irmã Hayley em Roma, ao mesmo tempo que Dina, uma amiga dela também.

Aparentemente um final de semana diferente para os dois e quando vão se despedir, são interrompidos por um antigo amigo de Jack.

Basicamente esta se torna a jornada do herói, que não esqueceu a garota e mais tarde tem a oportunidade de reencontrá-la e então finalmente ganhar o tão esperado beijo.

O filme tem tudo para ser uma história interessante, mesmo clichê.

Porém, Dean Craig não conseguiu, pelo menos não desta vez.

3 anos se passaram em Um Amor, Mil Casamentos

3 Anos depois, Hayley, a irmã de Jack vai se casar e ele tem a oportunidade de reencontrar com Dina.

Mais uma vez, um excelente motivo para desenrolar bem o enredo e ser um bom filme, mesmo que clichê de comédia romântica, em que um garoto apaixonado precisa correr atrás de sua paixão.

Porém as coisas começam a ficar confusas.

Fica claro aqui que é difícil fazer o básico bem feito.

Aí que o filme se perde.

Até a metade do filme, exatamente 1h5m nada de interessante.

Somente piadinhas ruins e cenas totalmente previsíveis.

A trama começaria se desenrolar bem quando surge uma pessoa – o Marc, que supostamente teria motivos suficientes para ver o termino do casamento mesmo antes de iniciar, já que tinha um caso com Hayley.

Com isso, o irmão da noiva tem a responsabilidade de colocar um calmante em sua bebida, para fazê-lo dormir, eliminando qualquer possibilidade de estragar o casamento de Hayley.

Minutos antes do almoço, ele foi lá e colocou o calmante na taça do convidado.

Aqui chegamos na ideia central do filme. Mais uma vez, tinha tudo para seguir bem.

No entanto acontece um incidente. As crianças trocam as plaquinhas de lugares e outra pessoa toma o calmante no lugar de Marc, o Bryan. Gostei desta ideia no roteiro.

Neste ponto o filme se desenrola bem, mas já estamos em 2/3 dele.

A atuação de Bryan sonolento conseguiu salvar alguns minutos do filme, mas só.

Tudo acontece de errado, inclusive Marc, o penetra consegue terminar com o casamento da Hayley, ao abrir o caso dele com a noiva num depoimento em público no microfone.

O fim do filme se aproxima longe de um final feliz de uma comédia romântica.

Pera aí, não acabou não.

Esta aí algo realmente bom em Um Amor, Mil Casamentos

Tiro o chapéu mais uma vez para a ideia de terem outras possibilidades para Um Amor, Mil Casamentos, como escrito na Sinopse.

O filme retorna com cenas em flashes, trazendo possíveis situações com outros convidados ingerindo o calmante no lugar de Bryan.

Até que escolhem continuar com uma versão em que Jack toma o calmante.

A primeira vez que ele fez papel de um herói protagonista.

Agora pensei, vai salvar o personagem pelo menos no último quarto do filme.

Mais uma vez, situações mornas para um personagem importante, que cairia bem para um convidado, não para Jack, que teve sua trajetória marcada no inicio do filme.

Seguimos para um final feliz, com Marc abrindo mão de abrir o jogo sobre seu relaiconamento com Hayley, Bryan conseguindo uma oportunidade com o diretor Vitelli e Jack criando coragem para se declarar à Dina.

Poxa diretor, somente nos 5 minutos finais que Jack ganhou vida?

Assim não né!

O que achei no filme, vale a pena?

Particularmente eu gosto de comédia romântica e besteirol.

A história central de Um Amor, Mil Casamentos achei realmente interessante, mas o desenrolar da trama, a narrativa não foram felizes.

Deixe uma resposta